terça-feira, 23 de agosto de 2016

Dia 65 - Canais dos parafusos e buchas

Faremos os furos por onde passarão os 4 parafusos que unirão corpo e braço. Em primeiro, marcamos o excedente do tróculo a ser removido.


Base até antes do início do shape.

Segundo: serramos.


Já era.

Fácil!


Ainda sem mexer nas laterais.

Agora definiremos o posicionamento dos parafusos. Como base, usamos uma plaqueta de metal centralizada, desenhamos sua forma e marcamos 4mm de bordas. Em cada canto, contornamos as buchas, externa e internamente. Por fim, com uma ponteira de metal, marcamos onde será furado.


Não parecem... CDs?!

Com uma broca também de 4mm, perfuramos.


Quatro buracos.

Com uma de 9/16", limitada à altura certa, preparamos onde serão inseridas as buchas.


Um quarto.

Na medida!


Ficou bacana.

Só resta passar para a outra peça. Colocamos tudo no lugar e, com o braço posicionado, martelamos para marcar onde devem ser feitos os furos...


Aqui é trabalho, meu filho!

... e mandamos ver.


Por hoje, é só.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Dia 64 - Encaixe do braço no corpo

Para unir as duas peças, prepararemos a junção. Começando pelo alinhamento do último traste com a curva do corpo.


Como no projeto original, apesar de ter uma casa a mais.

Com o instrumento no chão, vamos ajustar a angulação do braço.


Ê criança que vai ser linda!

Precisamos melhor com a marcação dos centros.


Na mira.

Um barbante esticado ainda nos ajuda na conferência. Com a posição certa, contornamos a área onde será trabalhada.


Mapeado.

Em cima da linha, marcamos com estilete, o que ajuda na próxima etapa.


Riscado.

Na furadeira de bancada, marcamos as extremidades e ligamos os pontos.


Sempre no limite da anterior.

Descendo a fresa devagar para evitar que escape, logo terminamos.


Piscina de marupá.

Assim, fica mais fácil de fazer o acabamento, ...


Removendo as bordas.

... que ainda passa por um último ajuste com a tupia.


Nas mãos do professor.

Feito!


Desnível mínimo será corrigido.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Dia 63 - Lixando frente e verso do corpo

Continuamos com a lixadeira orbital.


Ferramenta pesada.

Com uma régua de metal, vamos conferindo o nivelamento ao longo do corpo.


Não pode estar como uma gangorra, nem sob um vão.

Demora mais um pouco até alcançarmos o resultado desejado, mas terminamos.


Frente pronta.

No verso, teremos o mesmo trabalho.


Ainda sem lixar.

Conseguimos um bom nivelamento lixando mais um lado do que outro. Ainda haverá uma etapa manual para corrigir pequenos desníveis e equiparar o visual.


Bem diferente.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Dia 62 - Lixando as laterais e a frente do corpo

Com uma lixa nº 80 apoiada em um toco, acertaremos alguns detalhes na curva superior do cutaway.


Desnível perceptível contra a luz.

É importante que ela seja suave, pois qualquer imperfeição é realçada no instrumento pintado.


Não mais!

Voltando a prender o corpo, continuamos a lixar lateralmente.


Variando a fixação.

Como sempre, a ideia é melhorar o aspecto progressivamente a cada nova etapa de acabamento.


Devagar e sempre.

Com as laterais no jeito, podemos trabalhar na parte da frente com uma ferramenta que passou aqui discretamente no dia 43.


Lixadeira orbital.

Ela removerá marcas como as da colagem das madeiras que formam esta peça.


Risco central.

Mas, também precisamos de uniformidade ao longo do corpo.


As laterais estão mais altas que o meio.

terça-feira, 26 de julho de 2016

Dia 61 - Redesenhando e lixando parte do corpo

Depois de algumas tentativas, chegamos à curva superior mais próximo possível do ideal.

Até que não tão mal para um desenhista como eu!

Formato redefinido, é só cortar.

Serrando.

Já temos uma cara!

Bela menina!

Dividiremos em duas partes o acabamento com lixa. Começando com um rolete maior...

Aproximando da linha.

... que desgasta mais, porém não alcança alguns pontos.

Quase pronto.

Terminamos com um rolete menor, ajustando a altura da máquina conforme a necessidade.

Furadeira de bancada adaptada.

Só falta justamente as quinas.

Bem adiantado.

Estes e outros detalhes, completaremos manualmente.

Lixando apoiado no taco.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Dia 60 - Lixando e ajustando o corpo

Com o novo corte, voltamos à lixadeira em busca do contorno perfeito.


Bela foto pra começar o post, não?

A sacada para evitar calombos ao longo da madeira é não travar a peça em um ponto, sempre movimentando em algum sentido.


Série inicial.

A primeira máquina não permite angulação para trabalharmos certos detalhes. Alcançamos alguns deles com o rolete.


Vindo por cima.

De um lado do cutway...


Cuidado com a trepidação no contato.

e do outro.


Atenção para não encostar no tróculo.

Ainda recorremos à serra para ajudar na parte superior interna.


Contornando melhor.

Observando a foto do instrumento original, como a postada na abertura deste blog, percebemos que podemos redesenhar algumas curvas para ficar mais fiel.


Indo para a serra.

Falta a parte superior.


Ainda em busca do traçado ideal.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Dia 59 - Novo corpo

Reforçamos a linha marcada...


Com lapiseira.

... para trabalhar melhor na lixadeira.


Fica mais visível até onde podemos ir.

Seguimos dois preceitos básicos: curvas fechadas no cilindro...


Aproximando da linha.

e curvas abertas na madeira.


Buscando belas curvas.

Mas, uma parte fundamental não foi observada. Como o instrumento terá o braço parafusado ao corpo, faltou deixarmos a parte da madeira onde será feita esta junção. Portanto, repetiremos os mesmos procedimentos do dia 22 em um novo corpo. Desempenamos, ...


Atenção!

... nivelamos, ...


Faça o favor.

... cortamos os espaços para o apoio dos grampos, ...


Com a serra.

... passamos cola, ...


Desta vez, com Super Bonder.

... fixamos, ...


Esperando secar alguns minutos.

... desenhamos com base no molde inicial...


Agora, com o tróculo, claro!

... e cortamos.


Tá lá mais um corpo estendido...