terça-feira, 25 de abril de 2017

Dia 91 - Parafusos dos escudos

Continuamos a fazer as cavidades, passando a que ficará abaixo do captador do braço para o segundo pickguard.


Por baixo.

Alinhamos perfeitamente, seguramos firme junto a madeira e passamos pelo furo já existente.


Animalesco.

Ao centro, teremos dois orifícios em cada peça. Maior e menor; seguimos a mesma ordem.


Como anteriormente.

Estão prontos para serem parafusados.


Combinados.

É hora de trabalhar no corpo. Com base no primeiro escudo, achamos sua posição e marcamos com a ponteira de metal. Para furar, usamos uma broca um pouco menos larga que o parafuso, como nas tarraxas (dia 85). Mas, ainda temos uma outra etapa.


Uma das melhores fotos, não?

Para melhorar o visual dos encaixes, usaremos um esmeril cônico para que a cabeça dos parafusos adentrem nas cavidades visíveis.


Esta é a ideia.

Fazemos em todas...


Ficam assim.

... até que fique pronto.


Cada vez mais Rick!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Dia 90 - Confeccionando o segundo escudo

O design desta guitarra apresenta outro escudo sobreposto. Usando a primeira peça como referência, desenhar a segunda foi lição de casa. A curva superior à esquerda iniciaria no captador da ponte, mas parecia deixar o pickguard pequeno no meu instrumento. Por isso, o primeiro teste é saindo da base da ponte.


Esboço.

O professor achou que ficaria estranho e sugeriu adotarmos a ideia original.


Pouco menor, mas bem melhor.

Seguimos com ela. Retiramos a película protetora da placa de acrílico, colamos as laterais do desenho com fita crepe, riscamos por fora e realçamos com grafite.


Da mesma forma que o primeiro.

Pronto para serrar.


Cortando.

Os ajustes de acabamento serão feitos com base no que já está pronto.


Superdimensionada.

Na lixadeira, moldamos as curvas apoiando na madeira...


Aberta.

... e no cilindro, como no dia 59, quando trabalhávamos no corpo.


Fechada.

Os encaixes dos captadores microrretificamos com um rolo de lixa.


Ajustes finos.

O degrau entre eles alinhamos na lixadeira.


Retificando.

Assim, equiparamos.


Simpático, até.

Prosseguindo, acharemos a posição dos parafusos. Os dois primeiros são nas extremidades da maior parte.


Aqui, acolá.

Marcados com ponteira, passamos a Dremel com uma broca da mesma largura do parafuso.


Apoio de madeira por baixo firmando.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Dia 89 - Encaixes do escudo

Com o acrílico apoiado na bancada, terminamos de lixar o contorno.


Alisando.

Ainda precisamos acertar alguns detalhes na parte de cima, a começar pelo encaixe na base da ponte. Riscando com a ponteira e reforçando com grafite, marcamos o excedente.


Final do retângulo.

Por ser pouca coisa, vamos com a lima.


Paralelas.

O escudo também passa pelos captadores. Desaparafusamos, colocamos a peça por baixo deles...


Torradeiras suspensas.

... e marcamos igualmente.


Banheirinhas.

Neste caso, vamos com a microrretífica; o desbaste é mais rápido.


Com rolo de lixa.

O trabalho tem de ser cauteloso para não passar do ponto.


Já próximos.

Os últimos ajustes são feitos medindo direto no corpo.


Alviverde, mas de primeira.

Observando o desenho original, percebemos que não transpassa o pickup do braço, como na foto acima. Dremel naquela ponta.


Getting better.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Dia 88 - Confeccionando o escudo

Começamos por desenhá-lo em uma folha de papel vegetal presa por cima do corpo. Mais uma vez, nos baseando por foto.


Combinando tons de verde.

Marcamos a posição dos captadores retirando os parafusos das pontas e unhando direto na folha, assim como já feito na cavidade da parte elétrica.


Papel marcado.

Recortamos, para ter uma ideia.


Acho que é por aí.

O escudo será feito em uma placa de acrílico, usando um método parecido com o que fizemos os inlays nos dias 28, 29 e 30. Para transferir o desenho, fixamos o molde, marcamos por fora com a ponteira...


Contornando.

... e passamos a lapiseira por cima da linha.


Ranhura preenchida.

A clareza do formato ajuda na hora de serrar.


Menos chances de erro.

O acabamento, inicialmente, é na lixadeira, onde nos aproximaremos o quanto possível da marcação.


Em processo.

Os ajustes finais serão com uma lixa apoiada num taco.


80.

terça-feira, 28 de março de 2017

Dia 87 - Ajustes no corpo

Voltamos ao corpo para uma série de adequações. A primeira é fazer um canal que levará um fio da ponte até o aterramento elétrico. Posicionamos a base, marcamos os limites com fita crepe...


Contornada.

e furamos com a microrretífica.


Sempre ela.

Podemos fixar a peça. Reforçamos os pontos já marcados e parafusamos. Como esta base tem um espaço na cavidade dos parafusos que permite um ajuste fino, façamos: a distância do nut até o 12º traste deve ser a mesma deste ponto até o apoio das 2 primeiras cordas, como estipulado no dia 68.


A ajustar.

Para fazer a conferência, precisamos remover um pouco da tinta do tróculo que impede o encaixe perfeito entre braço e corpo, assim como fizemos nas tarraxas. Tanto na frente, ...


Dremel e lima.
quanto atrás.

Professor exemplificando para que eu faça depois.

Agora sim, buchas colocadas.


Belo contraste.

Com o braço parafusado, também podemos ajustar a posição dos captadores. Basicamente, repetimos o processo anterior, mas observando o alinhamento para que fiquem retos em relação à ponte. Assentados corretamente, marcamos a posição dos parafusos centrais com a ponteira e fixamos na madeira.


Os dos cantos unem as partes da capa.

Semana que vem: pickguard.


Em português, escudo.

terça-feira, 21 de março de 2017

Dia 86 - Instalando as outras tarraxas e moldando o nut

Colocaremos a outra metade das tarraxas.


Testando o espaçamento.

Assim como os furos das outras, alargaremos um pouco. Desta vez, direto com a furadeira.


Broca de 6,5mm.

Precisamos que as hastes cheguem até seu espaço.


No canal.

Agora, podemos repetir o mesmo procedimento da semana passada. Posicionamos as caixas, marcamos com a ponteira o lugar dos parafusos e cavamos com a Dremel.


Tudo aberto.

Em um dos lados, os furos à esquerda tiveram que ser menores, pois estão bem direcionados às hastes de outras tarraxas.


Entrada limitada.

Fácil de resolver. Medimos o que pode ser removido e cortamos 4mm dos parafusos com um alicate.


Antes e depois.

Só falta parafusar.


Foto que justifica muito bem o título do blog.

Começaremos a fazer o nut por onde passarão as 12 cordas da guitarra. Antes, removemos um pouco da tinta do headstock bem embaixo de onde deve ser posto.


Em prol da sonoridade, diz o professor.

Pegamos um pedaço de osso, ...


Medindo e marcando.

... cortamos, ...


Serrando.

... lixamos, ...


Lixadeira em ação.

até ficar assim.


Pestana moldada.

Com um pouco de Super Bonder, colamos a peça.


Quase pronto.